Edson Vidal

Fora da Casinha.

Amanheci no Hospital do meu amigo Costantini para fazer meus exames de rotina. Para um cardiopata faz parte da vida, embora confesse que vou sempre contrariado. Não pelas baterias de exame, mas pelo “jaleco hospitalar” que sou obrigado a vestir.

Sabe aquela camisa de pijama que não tem botão na frente e você tem que amarrar com um nó? Por mais que amarre sempre fica aberto na frente e sem manga, é simplesmente ridículo. Psicologicamente qualquer paciente fica doente e abatido quando fica na frente do esculápio. Parece uma camisa de força colocada em pessoa com doença mental.

E por falar nisso,  Gleisi Lula Hoffman surtou de vez. Nem acreditei quando vi o vídeo do Canal  Al Jazira com a moçoila convocando um exército de estrangeiros para invadir o Brasil, a fim de libertar o Jararaca. Só depois de ouvir pronunciamentos de políticos no Congresso Nacional, confirmando a transmissão, é que acreditei que era verdade.

Como pode uma senadora atentar contra a soberania Nacional? Que amor é esse que ela tem por um ladrão condenado? Claro que induz acreditar que se trata de algo que transcende um simples desejo platônico. 
- Mulher quando perde o equilíbrio e cai é como relógio velho: nunca mais anda direito!

Quem falou foi a Ricarda, velha cafetina e conhecida gerente de casa suspeita, que conhece muito bem o significado do que acabou de falar. Claro que não conheço a Ricarda, foi o Josefino, um senhor que também estava esperando para fazer um exame de eletrocardiograma, que leu meu pensamento e fez a apresentação da mulher. 

Fui traído por pensar em voz alta. Fechei a boca. Contudo não me esqueci das atitudes da senadora. Sua ação equivale a um atentado contra o Estado brasileiro, que impõe não apenas a cassação de seu mandato, mas sua imediata prisão por terrorismo explícito. Parece que o Bin

Laden ressuscitou no corpo da tresloucada galega. 
- Pois é, se ela não for presa com certeza vai continuar incitando seu exército de Brancaleone contra a democracia...

Olhei de soslaio para o lado direito e deparei com um senhor de idade, que fez este comentário. Putz pensei em voz alta novamente. Dei um leve sorriso para ele e continuei na minha. Será que a dita mulher não vai comandar um ataque contra a Superintendência da Polícia Federal? Fico imaginando ela atirando pedras de uma catapulta em direção ao portão de entrada, para que seus comandados invadam a repartição policial e arrebatem o Rei da Pinga.

Episódio que fará esquecer a queda da Bastilha. Meu Deus, o que estou pensando, quanta besteira, parece que o louco sou eu! Preciso parar de pensar e ficar atento para o primeiro exame que tenho de fazer, senão me chamo, eu não atendo  e perco a vez. 

“ É difícil saber o que se passa na cabeça de uma mulher transtornada por uma “causa”. Suas ações são imprevisíveis! ”
Edson Vidal Pinto

Apoio