Guarachuva!

No final da tarde de ontem, cheguei para descansar uns dias em Guaratuba. Nunca vi tanta chuva! Tenho dó das famílias que fazem suas programações de férias no litoral, algumas alugam casas, outras ficam em hotéis e pensão para entretenimento de férias. Mas ninguém merece uma tarde chuvosa, de nuvens negras no céu e um mar agitado.

Passei antes de automóvel pela orla e deparei com pessoas tomando banho de mar, outras caminhando, correndo e andando de bicicleta no calçadão como se a chuva não atrapalhasse. Mas vamos e venhamos: praia com chuva é de chorar.

É justamente nos meses de verão, quando a temperatura da água ajuda para brincar na praia, que a chuva aparece para acabar com o encanto. Menos mal quando são nuvens de chuva passageira, pior quando a chuva cai do alto num turbilhão de nuvens. Nesta última hipótese só resta mesmo rezar para que o dia seguinte seja diferente, com muito sol e calor.

Cheguei a casa e chovia tanto que desisti de sair do conforto do carro, deixei o motor e o ar condicionado ligados, liguei a TV e fiquei assistindo o jornal da Band. Fiquei gastando tempo para retirar as bagagens enquanto chovia a cântaros, quando ouvi estarrecida a notícia de que a inflação do ano passado foi de 2.9!

Opa, alguma coisa está errada: o teor da notícia ou o que auferi do custo de vida. Confesso que não entendo nada de economês, mas sei muito bem o quanto eu pago para comer, vestir e comer. Fácil constatar que a inflação anual ultrapassou facilmente de dois dígitos. Acho que o Meirelles engoliu o resto da conta.

O governo federal brinca com a inteligência do povo ao apresentar um índice inflacionário que é um deboche, forçando a “barra” para transparecer que apesar do desgoverno conseguiu vencer o dragão faminto da alta do custo de vida.

As donas de casa e os maridos “exemplares” que frequentam habitualmente os supermercados sabem muito bem que o dinheiro do salário encurtou, não porque ocorreram gastos exagerados, mas, sim, porque os custos dos produtos de primeira necessidade aumentaram demasiadamente.

E agora a notícia que a inflação não atingiu nem 3.0, parece piada de mau gosto. Uma notícia igual a esta e uma chuva que não para, só aumenta a ansiedade de quem chegou à praia para descansar. Jurei de pés junto que nos próximos dias não vou ouvir nenhum tipo de noticiário, nem da rádio e muito menos da televisão.

Vou aproveitar para ler dois bons livros que eu trouxe:
 “A Chave de Sarah” de Tatiana de Tosnay, da Editora Objetiva; e “Matem o Presidente” de Sam Bourne, da Editora Record Ltda. E pelo título sugestivo do segundo livro, acho que vou começar por ele, porque a ideia parece muito boa ...

“Praia com chuva é como dançar valsa calçado de tênis nos pés: nunca vai dar certo! É como o Governo anunciar uma inflação anual de 2.9 digitos, na certeza de que o povo passou um ano inteiro comendo só duas latas de sardinhas por dia, sem direito de se vestir, estudar e ficar doente!”
Edson Vidal Pinto

Apoio